Authorrelacionamento

Home»Articles Posted by relacionamento (Page 2)

Como escolher a melhor locadora de empilhadeiras

Você já pesquisou e chegou à mesma conclusão de todo mundo: alugar empilhadeiras é muito melhor que gastar dinheiro e energia comprando uma. Mas aí surge uma nova dúvida: como escolher a melhor locadora de empilhadeiras?

Antes de assinar o contrato, é importante que a empresa tome alguns cuidados para não ter dor de cabeça no futuro. Confira o que você precisa saber:

  • Quais são os tipos de manutenção que a locadora faz em seus equipamentos?

Essa é uma pergunta importante por dois motivos. O primeiro é que você precisa entender o estado dos equipamentos que vai alugar. Se a empresa não faz manutenção preventiva, isso significa que as chances da empilhadeira quebrar no meio do turno de trabalho são grandes.

O outro motivo para fazer essa pergunta diz respeito justamente aos imprevistos: se por acaso a empilhadeira quebrar em sua empresa, que tipo de suporte você receberá da locadora? Eles farão a manutenção corretiva?

De qualquer maneira, é importante entender os tipos de manutenção que se aplicam às empilhadeiras. São três: preventiva, preditiva e corretiva.

A manutenção preventiva e a preditiva são realizadas antes de o equipamento apresentar qualquer problema. A preventiva analisa a possibilidade de falhas e defeitos em peças, com checagem constante.

Já a preditiva leva em consideração o tempo de vida útil esperado de cada item. Em outras palavras, a manutenção preditiva considera a “data de validade” das peças para definir quando realizar as trocas.

Por fim, a manutenção corretiva acontece depois que o problema acontece. Umas das grandes vantagens da locação é justamente a economia relacionada à manutenção, que fica a cargo da locadora.

Por isso, confira os prazos de manutenção, a capacitação técnica da equipe e a logística envolvida em caso de imprevistos com seu equipamento.

  • Qual a opinião dos clientes?

Essa é uma pergunta importantíssima. Procure referências da empresa com clientes que já utilizaram os mesmos serviços que você.

Essa pesquisa pode ser feita tanto pela internet como de forma mais pessoal, ligando para clientes antigos. Analise o grau de satisfação com os serviços prestados. Pergunte principalmente sobre a qualidade dos equipamentos recebidos e se eles ficaram satisfeitos nos casos de resolução de problemas.

  • Como é o atendimento ao cliente?

Você pode checar isso ligando para o setor de suporte e avaliando o tempo até que a ligação seja atendida. Pergunte também ao setor comercial ou técnico de que forma se dá esse suporte, por exemplo, aos finais de semana, e como é o processo de solicitação de serviços de emergência.

Lembre-se: mesmo que os custos da manutenção não sejam arcados por você, o equipamento parado pode causar um grande prejuízo ao setor logístico.

Logiscom: a melhor locadora de empilhadeiras

Se você já fez essas perguntas e essa pesquisa, chegou a uma conclusão inevitável: a melhor opção na hora de alugar uma empilhadeira é a Logiscom. A empresa realiza manutenção constante em sua frota e possui equipe técnica altamente capacitada, focada na satisfação total dos clientes.

Está precisando de empilhadeira? Fale com a Logiscom.

(Imagem: Divulgação)

Como fazer a verificação diária da empilhadeira

A operação eficaz de uma empilhadeira é fácil de fazer, desde que seja realizada por um profissional qualificado. Mas, independentemente da expertise do operador, essa eficácia é aumentada quando se faz uma checagem do equipamento.  Confira como fazer a verificação diária da empilhadeira.

Existem 7 etapas que devem ser cumpridas na realização desse check-list diário. A realização dessa checagem aumenta a segurança da operação, a eficiência do equipamento, e evita a necessidade de paradas para manutenção emergenciais. As etapas são:

1. Verificação da bateria

O primeiro passo é retirar as tampas da bateria. Confira se a água cobre as placas. Em caso negativo, encha o recipiente de água destilada até que essas placas fiquem submersas. Mexa nos cabos e cheque se eles estão bem presos.

2. Análise do óleo

Aqui são necessários dois pontos de atenção: o óleo do cárter e o óleo hidráulico. Para verificar se o óleo está no nível ideal, retire a vareta e limpe-a com um pano seco. Em seguida, coloque novamente a vareta no local de onde ela foi retirada. Por fim, mais uma vez, puxe a vareta para fora do seu local de armazenamento.

A vareta tem pequenos traços que mostram o nível ideal do óleo. Se está abaixo desses traços, é hora de repor, se o óleo ainda estiver brilhante e viscoso, ou de trocá-lo, caso aparente estar sujo ou com viscosidade fora dos padrões ideais.

3. Verificação da embreagem

Entre na empilhadeira e pise na embreagem. A folga deve estar por volta de uma polegada.

4. Checagem do freio

Aqui a dica principal é: o pedal nunca deve encostar no chão da empilhadeira. Se isso acontecer, é sinal de mau funcionamento. Entre em contato com a equipe de manutenção imediatamente.

5. Olhe o painel

Confira se todos os instrumentos do painel estão funcionando corretamente. Não esqueça de avaliar se o combustível é suficiente para todo o período de operação.

6. Verifique os pneus

É preciso checar a calibragem do pneu. Todo pneu tem uma válvula, assim como acontece nos carros. Pressione o bico do calibrador contra o bico da válvula do pneu, de modo que eles se encaixem.

No momento de encher os pneus, certifique-se de que o ar não está escapando. A calibragem ideal deve ser de 100 libras. Caso a pressão seja maior que essa, esvazie o pneu até o nível ideal, pressionando seu bico dosador.

Olhe também se os pneus estão em bom estado e sem cortes.

7. Verifique o radiador

Atenção! A água do radiador deve ser checada antes de ligar a empilhadeira. Ainda assim, use luvas ao fazê-lo, ou pode sofrer queimaduras graves.

Primeiro, abra a tampa até o primeiro estágio, para liberar a pressão. Retire a tampa e, se parecer seguro (sem a emissão de gases quente ou água), verifique o nível da água e reponha (com o motor ligado) se necessário.

Com esses cuidados simples você aumenta o rendimento da empilhadeira e a segurança da operação.

Locação de empilhadeiras é com a Logiscom.

Está precisando alugar empilhadeiras? A Logiscom é a fornecedora ideal. A frota da Logiscom passa por manutenção constante para que sua empresa nunca pare. A equipe de especialistas é altamente capacitada e está pronta para te atender. Entre em contato.

(Imagem: Divulgação)

3 motivos para vender sua empilhadeira velha e alugar uma nova

“Desapega”, diz uma famosa propaganda da TV! Às vezes, desapegar é apenas uma questão de se livrar de algo que a gente não usa mais. Mas, nos negócios, essa é também uma decisão que leva em conta aspectos produtivos e financeiros. Quer um exemplo? Vender a empilhadeira velha e alugar uma nova.

Por qual motivo você deveria fazer essa troca? Afinal, a empilhadeira velha continua fazendo seu trabalho, embora não no mesmo ritmo de quando ela estava nova em folha, certo? Mas será que esse é mesmo um bom motivo? Certamente não.

Confira 3 motivos para trocar uma empilhadeira velha por uma nova.

1. Custos de manutenção

Você investiu, há algum tempo, neste equipamento que hoje já não serve mais tão bem para suas necessidades. Logo, é natural que haja uma resistência em abrir mão da empilhadeira velha.

Mas, assim como acontece com os carros, empilhadeiras velhas demandam mais manutenção. Suas peças estão mais gastas e, por isso, a vida útil delas é fortemente reduzida. Isso sem falar, é claro, do dinheiro perdido por causa de manutenções emergenciais.

Afinal, quando um equipamento como esse para, o prejuízo é enorme. A produtividade da equipe cai, as entregas atrasam e todo o setor de logística pode ser paralisado em um efeito dominó.

Ao alugar uma empilhadeira, nada disso acontece. A Logiscom, por exemplo, faz manutenções periódicas nos equipamentos entregues aos clientes, de forma a garantir o perfeito funcionamento da máquina.

Se ainda assim houver um imprevisto, não há motivos para preocupação. Os custos de manutenção da empilhadeira – ou até mesmo a troca do equipamento, para evitar atrasos na linha de produção – são arcados pela empresa locadora.

É mais barato, eficiente e prático!

2. Acidentes

Já aconteceu algum acidente com empilhadeiras em sua empresa? Em alguns casos, parece inexplicável. Mesmo com a manutenção em dia e com um operador altamente capacitado, alguém se machucou. O que pode ter acontecido?

O problema pode estar nos itens de segurança. Esses equipamentos obrigatórios também podem sofrer desgaste com o tempo, e mesmo as manutenções preventivas mais minuciosas não conseguem identificar.

É o caso, só para citar um exemplo, do alarme de ré. Ele pode estar funcionando perfeitamente durante o check-list do operador, no início do turno, mas falhar durante o trabalho.

Na Logiscom, todas as empilhadeiras alugadas passam por um extenso processo de checagem para garantir que os itens de segurança estejam em perfeitas condições de uso.

3. Custo de oportunidade

Já vimos que, em empilhadeiras velhas, os ganhos de produtividade podem ser perdidos para a necessidade de manutenção constante, se transformando em um custo fixo desnecessário. Uma alternativa seria comprar uma empilhadeira nova, mas isso implicaria também em enormes custos de oportunidade.

Ao invés de imobilizar o ativo da empresa, é melhor utilizar esse recurso em investimentos nas atividades-fim da companhia ou mesmo em investimentos financeiros que gerem lucro.

Por uma fração do valor de compra de uma empilhadeira, você pode ter um equipamento novo e liberdade para realizar investimentos mais significativos para o crescimento do negócio.

Esses são os principais motivos para vender sua empilhadeira velha e alugar uma nova. Quer alugar com a melhor locadora do Brasil? Fale com a Logiscom. A empresa tem mais de 20 anos de experiência e empilhadeiras para todos os tipos de necessidade.

(Imagem: Divulgação)

Como fazer um orçamento de aluguel de empilhadeira?

Parabéns! Você já pesou prós e contras e viu que alugar empilhadeiras é muito mais vantajoso do que comprar empilhadeiras. Mas agora surgiram outras dúvidas: que tipo de informação eu preciso ter para alugar a empilhadeira ideal para meu negócio?

Não se preocupe, esse é um procedimento bastante simples que você poderá fazer em pouquíssimo tempo. Confira algumas perguntas que vão te ajudar a escolher a empilhadeira perfeita.

Por que você precisa de uma empilhadeira?

Essa é a primeira pergunta que você mesmo já se fez. A empilhadeira será usada para qual finalidade? É preciso saber também o tipo de produto que será transportado, as dimensões das cargas, seu peso e a altura máxima da área de estocagem.

Lembre-se que a capacidade de carga é um dos fatores primordiais na hora de escolher o melhor equipamento. Não se pode correr o risco de ficar com uma empilhadeira aquém das capacidades de carga.

Ao mesmo tempo, não vale a pena pagar mais caro pelo aluguel de um equipamento mais robusto, mas superdimensionado para o trabalho proposto.

Como é o ambiente de operação?

É preciso também descrever com precisão o ambiente de operação. É um local aberto ou fechado? O chão da área de armazenamento é de que material? Ele está em perfeito estado ou tem imperfeições, como ondulações e buracos?

Essas perguntas são de fundamental importância. Um espaço fechado, por exemplo, deve preferir usar empilhadeiras elétricas, que não emitem gases tóxicos. Já nos ambientes externos não há essa necessidade. Dessa forma, o cliente pode optar pelo aluguel de empilhadeiras a gás, que são mais baratas.

A capacidade do terreno de aguentar o peso da empilhadeira também faz diferença, bem como a possível presença de ondulações. Solos irregulares demandam pneus diferentes daqueles usados em pisos reforçados e planos.

Ah! Vale lembrar também que empilhadeiras com motor à combustão se adaptam melhor a esses pisos imperfeitos.

A vizinhança também precisa ser levada em conta. Se a empilhadeira será usada, por exemplo, perto de uma escola ou de um hospital, é preciso alugar um equipamento que emita pouco barulho, a exemplo de empilhadeiras elétricas.

Como é a estrutura de armazenagem?

O layout do galpão e a disposição das estruturas porta-paletes ou das estantes também afetam o tipo de equipamento a ser escolhido. Afinal, se o espaço entre as estantes é pequeno, deve-se optar por empilhadeiras retráteis, por exemplo.

O mesmo tipo de empilhadeira é ideal também para estantes com grande elevação. A altura da área de picking é um dos fatores mais importantes na hora de escolher a empilhadeira ideal.

Outras perguntas que podem te ajudar na hora de escolher uma empilhadeira

Caso queira facilitar ainda mais o processo, existem outras informações que você pode dar aos consultores na hora de alugar uma empilhadeira. Alguns exemplos são as medidas dos portões de acesso do galpão ou a autonomia desejada, por exemplo.

Onde posso alugar empilhadeiras?

A melhor opção é a Logiscom. A empresa tem equipe altamente capacitada para atender qualquer tipo de necessidade. A Logiscom pode fazer a pronta entrega das empilhadeiras graças a sua localização privilegiada e a sua excelência na manutenção dos equipamentos. Está precisando de empilhadeiras? Entre em contato com a Logiscom.

(Imagem: Divulgação)

8 dicas para melhorar a separação de mercadorias em seu armazém

Os empreendedores já sabem que o uso de empilhadeiras aumenta a produtividade das empresas. Mas é preciso levar em consideração também outras estratégias de aumento da eficiência. Uma dessas estratégias é melhorar a separação de mercadorias. Você sabe como fazer?

A separação de mercadorias é de extrema importância. Afinal, de 30% a 40% da força de trabalho usada nos armazéns é direcionada para essa atividade. Confira algumas coisas que você pode fazer para melhorar essa “apanha”.

1 – Elimine os itens fora de estoque

Um dos principais fatores de desperdício de tempo dos operadores de empilhadeiras é a procura por itens que não existem. Quando o responsável pela separação precisa procurar um produto que não está disponível, ele gasta 30% mais tempo do que na procura por itens reais.

Esse desperdício de tempo pode até mesmo dobrar se o operador envolver outro colega na “busca impossível”. Por isso, elimine os itens fora de estoque.

2 – Cada produto deve ter um endereço único

Cada produto deve ter seu próprio endereço. Isso acelera muito o processo de separação. Não tem problema que dois produtos ocupem o mesmo espaço, desde que cada um tenha seu próprio endereço.

3 – Os endereços devem seguir uma sequência lógica

A maior parte do trabalho de separação envolve o deslocamento entre os endereços. Assim, facilite o trabalho do operador da empilhadeira criando endereços lógicos. Se o primeiro corredor é chamado de corredor A, então o seguinte tem de ser o B, e assim por diante.

4 – Simplifique a lista de separação

A lista de separação ideal deve ter fontes grandes, uma impressão bastante clara e conter apenas as informações essenciais para a apanha dos produtos. Quanto menos tempo o operador da empilhadeira gastar tentando ler a lista ou encontrar a informação de que precisa, maior a produtividade do colaborador.

5 – Use um sistema eficiente nas prateleiras

Evite a necessidade de o operador usar escadas ou de precisar se abaixar ou se esticar com frequência. Além da perda de tempo, gera fadiga no colaborador.

Na hora de colocar os produtos nas paleteiras, procure deixar os de maior rotatividade em uma altura equivalente à região acima da cintura e abaixo dos ombros dos operadores.

6 – Contrate pessoal adequado

O operador de empilhadeira precisa ter um curso específico para operar a máquina. Mas há alguns pré-requisitos básicos que precisam ser cumpridos antes mesmo da realização do curso, como saber ler, ter boa acuidade visual e ter facilidade para entender a lógica de endereçamento de sua empresa.

7 – Melhore suas instalações

O armazém ideal deve ter um layout que permita aos supervisores verificar o bom andamento dos trabalhos e boa área de separação, em que não haja engarrafamento de empilhadeiras, mercadorias ou pessoal.

8 – Escolha um parceiro de confiança

De nada adianta tomar todos esses cuidados se, na hora de alugar uma empilhadeira, você terminar dependente de uma empresa amadora. Na hora de alugar, exija a excelência máxima.

É por isso que você deve alugar empilhadeiras com a Logiscom. A empresa atua no mercado de locação de empilhadeiras desde 1996 e é uma referência na área.

Está precisando alugar empilhadeiras? Fale com um especialista da Logiscom.

(Imagem: Divulgação)

Tudo que você precisa checar ao receber uma nova empilhadeira alugada

Parabéns! Você optou por aumentar a eficiência de sua equipe e percebeu que a melhor relação custo/benefício é a locação de empilhadeiras. Ótimo! Para que tudo corra sem contratempos, vale a pena reservar alguns minutos para avaliar a empilhadeira recém-chegada.

Tratam-se, claro, de equipamentos robustos que aguentam cargas pesadas de trabalho, tanto no sentido literal quanto no figurado. Isso significa também que o desgaste pode ser grande. Assim, confira um check-list do que deve ser avaliado.

  • Placa de identificação e diagrama de capacidade de carga residual

Todo operador de empilhadeira sabe que, antes de mover uma carga, é preciso conferir na placa de identificação a capacidade de carga residual do equipamento. Se essa placa estiver ausente, erros podem acontecer, podendo acarretar em acidentes.

Por isso, cheque se a placa de identificação e se o diagrama de capacidade residual estão bem afixados em local visível da empilhadeira. Ela deve ser de fácil acesso ao operador. Se a placa estiver ausente, exija a troca do equipamento.

  • Mastro e garfo

Faça um teste no mastro e veja se ele e o garfo cedem no momento de movimentar a carga. Assegure-se ainda de que não há folga entre o porta-garfos e o trilho guia.

Por falar em garfos, eles não devem ter nenhum tipo de fissura e seus bloqueios devem estar perfeitos.

  • Freios

Esse item é prioritário: teste os freios. A freada deve estar perfeita. Não deixe de verificar também o freio de estacionamento.

  • Bateria

Se a empilhadeira for elétrica, é necessário checar o estado da bateria. Há vários sinais que podem indicar problemas nessa peça. Confira se há cristais brancos e verdes nos polos. Em caso positivo, a bateria está em processo de sulfatação.

Caso seja possível, teste a bateria para se certificar de que ela está funcionando perfeitamente. É obrigação da empresa prestadora de serviço entregar um equipamento com todos os testes de qualidade já realizados.

  • Faróis

A checagem é simples e leva apenas alguns segundos. Verifique se tudo está funcionando perfeitamente: lâmpadas, conexões e cabos.

  • Lataria

Recuse empilhadeiras que apresentem problemas como deformação ou ferrugem na lataria.

  • Pneus

Analise da mesma forma que você faria com um carro. Os pneus não podem estar carecas nem apresentar deformações como “bolhas” ou “laranjas”. Confira ainda a presença de rachaduras na borracha.

  • Motor

Chegou a hora de ligar a máquina. Fique de olho no exaustor, no caso das empilhadeiras à combustão. Excesso de fumaça indica problemas no motor, bem como barulhos excessivos ou estranhos.

Deixe a empilhadeira parada, em local limpo, e acione suas funções hidráulicas. Veja se, após os procedimentos, há presença de óleo no chão, indicando vazamentos.

Logiscom é referência em aluguel de empilhadeiras

Está procurando empilhadeiras para seu negócio? A Logiscom é especializada na locação e terceirização de equipamentos de movimentação interna e externa, trabalhando com todos os tipos de empilhadeiras elétricas ou a gás e paleteiras elétricas.

Todos os equipamentos passam por manutenções preventivas constantes e são testadas à exaustão, para garantir uma operação perfeita. Quer aumentar a eficiência de sua empresa na movimentação de cargas? Fale com os especialistas da Logiscom.

(Imagem: Divulgação)

5 dicas para operar uma paleteira com segurança

Ter mais agilidade para mover cargas e necessitar de menos mão de obra para a movimentação nos armazéns são algumas das vantagens das paleteiras. Entretanto, apesar de serem menores que as empilhadeiras, esses equipamentos também devem ser operados com cuidado.

O aviso é importante porque muitos operadores negligenciam a própria segurança ao usar as paleteiras, justamente por acharem que é uma atividade inofensiva. Não é. Confira 5 dicas para operar uma paleteira com segurança.

1. Faça uma checagem visual do equipamento

A dica mais importante deve ser posta em prática antes mesmo da paleteira ser ligada. O equipamento só deve entrar em operação depois que o operador fizer uma checagem visual do estado geral da transpaleteira.

Veja se as rodas estão em bom estado e se há vazamentos de óleo ou rachaduras nas soldas das patolas ou na alavanca de comando. Adicionalmente, vistorie os dispositivos de segurança e o mecanismo de direção.

Qualquer anormalidade deve ser reportada aos supervisores ou à equipe de manutenção. Caso isso não aconteça, há dois riscos envolvidos. O principal é o de acidentes. A carga pode cair por causa de um problema na paleteira e atingir o próprio operador ou um colega.

Outro problema são os prejuízos causados pela perda da carga ou pela necessidade de se fazer uma manutenção não programada da paleteira.

2. Tenha cuidado com a carga

As cargas devem estar apoiadas nas duas patolas das paleteiras. Não carregue cargas que estejam apenas sobre uma das patolas. Elas devem estar sempre em cima dos paletes que, por sua vez, devem estar perfeitamente equilibrados. Paletes com aparência de frágeis não devem ser transportados.

Quebrar essa regra aumenta o risco de acidentes e de danos à paleteira.

3. Respeite o limite de peso

Jamais exceda o limite de peso da paleteira. Esse limite está sempre em uma placa bastante visível no equipamento. Se, por acaso, o operador não tiver certeza do peso da carga, ela não deve ser carregada.

4. Cuidados no deslocamento

Os operadores devem ter atenção redobrada durante o deslocamento. A velocidade de movimentação deve ser similar a de uma caminhada normal. Quanto mais rápido, maior a chance de desequilíbrio da carga.

Lembre-se também de fazer paradas suaves quando necessário, especialmente em pisos muito lisos.

O operador jamais deve subir na paleteira durante seu deslocamento, nem deve transportar outras pessoas sobre ela.

5. Atenção em aclives e declives

Lembre-se de que as paleteiras são desenvolvidas para funcionamento em superfícies planas, mas eventualmente pode ser necessário utilizá-las em rampas.

Essas pequenas ladeiras devem ter inclinação máxima de 6º. Durante o deslocamento o operador deve estar sempre na parte alta da rampa, com a paleteira na parte baixa.

Logiscom é a melhor opção para locação de paleteiras

Agora que você já sabe os principais cuidados a serem tomados durante a operação de uma paleteira, chegou a hora de otimizar os recursos de sua empresa. Alugue paleteiras com a Logiscom. A empresa tem o equipamento ideal para o seu negócio.

(Imagem: Divulgação)

Saiba as principais causas de acidentes entre empilhadeiras e pedestres e como evitá-los

Você sabia que a maior parte dos acidentes com empilhadeira não envolve o tombamento do equipamento, mas sim atropelamentos de pedestres? Esse é um risco presente em qualquer empresa que trabalhe com empilhadeiras. Mas com alguns cuidados simples é possível evitar grandes tragédias.

As principais recomendações dos especialistas envolvem o treinamento correto dos operadores, separação de tráfego, regras claras de convivência entre pedestres e empilhadeiras e o uso de dispositivos sonoros e visuais. Confira os detalhes.

  • Treinamento do operador

Esse é o cuidado mais básico que as empresas podem tomar para evitar acidentes: treinar bem os operadores das empilhadeiras. Mas esse treinamento não deve acontecer apenas na contratação do profissional. Os operadores devem passar por cursos de reciclagem regularmente.

  • Separação de tráfego

A forma mais eficaz de evitar acidentes entre empilhadeiras e pedestres é fazendo uma separação total das áreas de circulação. Isso significa impedir que pedestres caminhem em regiões por onde transitam as empilhadeiras.

Essa separação pode ser realizada por meio da criação de faixas de deslocamento exclusivas.

As faixas podem ser separadas por barreiras físicas, como tachões de sinalização (também conhecidos como “olhos de gato”) e blocos de concreto; ou simplesmente pela pintura no chão, como acontece em algumas ciclofaixas em grandes cidades.

Mesmo nesses casos os administradores devem estar atentos para evitar que as faixas de deslocamento das empilhadeiras se aproximem de locais de grande circulação de pessoas, como refeitórios ou lavatórios, por exemplo.

  • Regras de convivência

Criar e divulgar “regras de convivência” no ambiente de trabalho também são excelentes maneiras de evitar acidentes.

Essas regras podem incluir, por exemplo, a imposição de limites de velocidade para empilhadeiras e uso de roupas de alta visibilidade para pedestres que precisem circular em áreas com trânsito de empilhadeiras, como coletes refletivos.

Pode-se ainda proibir o acesso de pedestres a áreas em que as empilhadeiras estejam em operação.

Além, disso, exija que os operadores do equipamento parem a empilhadeira antes de passar por interseções ou por locais em que a visibilidade esteja bloqueada, de modo que ele não seja surpreendido por um pedestre.

  • Dispositivos sonoros e visuais

Por fim, outra providência importante diz respeito à empilhadeira em si. Atenção especial deve ser dada aos alarmes de movimento de ré. Seu volume deve ser alto o suficiente para se destacar dos ruídos ao redor. É preciso ainda que ele seja facilmente diferenciado de outros alarmes da empresa.

Entretanto, observe que o próprio dispositivo sonoro pode ser prejudicial à saúde do trabalhador. Assim, ele jamais deve ultrapassar os limites determinados pelas Normas Regulamentadoras.

As empilhadeiras devem contar ainda com luzes piscantes, giratórias ou estroboscópicas, de modo que sua presença seja facilmente identificável. O modelo mais apropriado dependerá das condições do ambiente de trabalho. As luzes não devem atrapalhar a acuidade visual do operador.

Precisando de empilhadeiras? Fale com a Logiscom

Está precisando de empilhadeiras? Alugue com a Logiscom. A empresa possui a solução ideal para qualquer necessidade, como empilhadeiras elétricas, retráteis, patoladas com operador a pé e a bordo, elétricas, à combustão e muito mais.

Converse com os especialistas da Logiscom e descubra qual equipamento é o ideal para sua empresa.

(Imagem: Divulgação)

O que fazer em caso de acidente com empilhadeira

As empilhadeiras possuem diversos equipamentos de segurança que, quando usados corretamente, impedem qualquer tipo de problema mais sério. Mas, ainda assim, é possível que imprevistos aconteçam. Por isso, saiba o que fazer em caso de acidente com empilhadeira.

Os tipos de acidentes mais comuns com empilhadeiras são o tombamento do equipamento e incêndios na própria empilhadeira ou em seu local de atuação. Qualquer que seja a situação, a regra mais importante é manter a calma e agir de maneira profissional.

O que fazer em caso de tombamento?

Tombamentos são raros e acontecem principalmente por falha humana. Caso você passe por uma situação de tombamento, será preciso reagir em poucos segundos para evitar danos à sua saúde.

Ao perceber que a empilhadeira tombará, não saia do equipamento. Ao sair, aumentam muito os riscos de ser prensado pela máquina contra o chão ou contra as paredes. Permaneça dentro do compartimento protetor do operador.

Coloque ambas as mãos sobre a direção e segure com firmeza. Ao mesmo tempo, apoie fortemente os pés no chão. Aumente sua estabilidade afastando os joelhos um do outro.

O que fazer em caso de incêndio

Caso perceba que a empilhadeira está pegando fogo, tente ter uma visão ampla da emergência. Existe o risco desse fogo se alastrar pelo galpão ou armazém? Em caso positivo, leve a empilhadeira para uma área aberta ou afastada de materiais inflamáveis.

Faça isso apenas se tiver certeza de que isso pode ser feito em poucos segundos e sem colocar a própria segurança em risco.

Os passos seguintes são desligar a chave geral e fechar a válvula de gás (caso a empilhadeira seja movida à gás natural).

Toda empilhadeira deve contar com um extintor de incêndio. Dessa forma, utilize o equipamento para tentar debelar as chamas. Caso não tenha sucesso ou não saiba como manusear o extintor corretamente, chame a brigada de incêndio da empresa ou os bombeiros da cidade.

Existe ainda a possibilidade de o incêndio ser não na empilhadeira, mas no ambiente de trabalho. Nesse caso, ao perceber as chamas, pare a empilhadeira em local que não atrapalhe a evacuação das pessoas ou a atuação da brigada de incêndio ou dos bombeiros.

É importante ressaltar que a prevenção é sua melhor arma para evitar acidentes. Por isso, sempre se certifique de que os equipamentos de combate a incêndio, como extintores e hidrantes, estão funcionando corretamente.

Jamais estacione a empilhadeira em locais que dificulte o acesso a esses equipamentos. Além disso, esteja familiarizado com a utilização dessas ferramentas, para poder agir com segurança e de forma decisiva caso seja necessário.

Logiscom é a melhor opção na hora de alugar uma empilhadeira

A manutenção preventiva é peça-chave para o bom funcionamento das empilhadeiras e para evitar acidentes. A Logiscom realiza manutenções periódicas em suas empilhadeiras, garantindo sua máxima eficiência.

A empresa é especializada em locação e terceirização de equipamentos de movimentação interna e externa, e trabalha com todos os tipos de empilhadeiras elétricas ou a gás e paleteiras elétricas. Seus principais diferenciais são a qualidade técnica da equipe e a rapidez no atendimento.

Está precisando de empilhadeiras? Alugue com a Logiscom.

(Imagem: Divulgação)

CNH é obrigatória para operadores de empilhadeiras?

O uso de empilhadeiras é cada vez mais frequente em empresas relacionadas à área de logística. Consequentemente, há cada vez mais vagas disponíveis para operadores de empilhadeiras. Mas, com as vagas, surge uma dúvida: CNH é obrigatória para operadores de empilhadeiras? Descubra agora!

A dúvida é perfeitamente compreensível. Afinal, para se dirigir motos, carros e caminhões, é necessário ter a Carteira Nacional de Habilitação. Para outros veículos, como barcos, também há algum tipo de carteira que certifica que o “piloto” está capacitado para operar aquele veículo.

Mas será que no caso das empilhadeiras também é preciso ter CNH?

Primeiro, é importante observar o que diz a legislação. De acordo com a NR 11, que rege o transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais, “os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados”.

Logo, se precisa ter habilitação, então precisa ter Carteira Nacional de Habilitação, certo?

Errado. O que a norma chama de “habilitação” é, na verdade, qualquer tipo de capacitação que forneça ao operador a habilidade necessária para operar a empilhadeira. Não significa, necessariamente, ter a CNH. Pode ser, por exemplo, um curso de operador de empilhadeira.

Quem pode dar o curso de operador de empilhadeira?

Não há qualquer norma que indique quem pode ministrar o curso de operador de empilhadeira. Entretanto, a experiência indica que algumas qualidades devem ser exigidas do instrutor.

As mais óbvias são a de conhecer bem o equipamento, especialmente seu funcionamento; saber todas as normas de segurança; ser capaz de passar aos seus alunos aspectos teóricos e práticos da profissão; ser paciente; possuir boa didática e ter boa oratória.

Afinal, a legislação exige CNH do operador de empilhadeira?

A resposta é: não, não é preciso ter CNH para operar empilhadeiras. A própria NR 11 diz que “nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função”.

Não há, na norma, qualquer exigência de CNH, seja para operar a empilhadeira, seja para fazer o curso específico.

É importante destacar, entretanto, que embora a legislação não exija a CNH, as empresas contratantes podem sim solicitar o documento como pré-requisito para a contratação. Não se trata de uma exigência legal, mas sim de uma opção da companhia.

CNH pode ser exigida para tráfego em via pública

É preciso ressaltar também uma exceção importante. Algumas empresas precisam, por vezes, fazer com que suas empilhadeiras trafeguem em via pública, normalmente em trajetos curtos.

Nestes casos, a empilhadeira pode ser considerada como um veículo comum. Assim, é necessário que ela tenha uma identificação própria registrada nos órgãos de trânsito, que obedeça a legislação de trânsito e, consequentemente, que seu operador possua Carteira Nacional de Habilitação.

Logiscom possui empilhadeiras para todos os tipos de necessidade

Se a sua empresa deseja aumentar a produtividade da equipe, a locação de empilhadeiras pode ser a opção ideal. A Logiscom atua no mercado de aluguel de empilhadeiras há mais de 30 anos. Nesse período, construiu uma reputação impecável. Quer alugar empilhadeiras? Entre em contato com a Logiscom.

(Imagem: Divulgação)